terça-feira, 10 de maio de 2011

Recursos Minerais

O que são?
Os recursos minerais são concentrações de minério formadas na crosta terrestre cujas características fazem com que sua extracção seja ou possa chegar a ser técnica e economicamente rentável.
Grupos
Os recursos minerais dividem-se em dois grupos: os metálicos (ferro, cobre, estanho, ...) e os não-metálicos (quartzo, calcário, mármore, ...).
Os recursos minerais são recursos extraídos da natureza através de rochas, para uso da atividade industrial; para além de serem muito importantes para a economia portuguesa apesar de os sedimentos grossos sejam de pior qualidade assim como os minerais de origem metoboiafóbica.Considerados exemplares:
Utilização
Os recursos minerais são utilizados para as mais diversas coisas: jóias, produção de chips, produção de automóveis, etc.
Desvantagens
Além de muitas vantajosas utilizações, a extracção destes recursos têm também desvantagens como a libertação de poeiras prejudiciais ao homem, são destruídos ecossistemas para a construção de estradas para o seu transporte, quando os minerais são refinados, as substâncias liberadas poluem a atmosfera e as águas próximas, por vezes a paisagem é alterada, etc.

Reflexão: Escolhemos este esquema pois achamos que mostra bem o que são os recursos geológicos e como se dividem em 3 grandes grupos.


Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Recursos_minerais
http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://3.bp.blogspot.com/_wHMWWyJfdl0/S-mKez2ESJI/AAAAAAAAAIA/rI1sUcgChuU/s1600/pascoal.bmp&imgrefurl=http://geoactividade.blogspot.com/2010/05/recursos-minerais-os-recursos-minerais.html&usg=__dXonVgYR9TiilUA9xsYAwh9xJUk=&h=360&w=480&sz=26&hl=pt-PT&start=55&zoom=1&tbnid=3Pmq5DPjQSIF3M:&tbnh=147&tbnw=196&ei=YyTJTY7XA86o8QOy2qnoBg&prev=/search%3Fq%3Drecursos%2Bminerais%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DX%26biw%3D1024%26bih%3D653%26tbm%3Disch%26prmd%3Divns0,2316&itbs=1&iact=rc&dur=403&page=5&ndsp=12&ved=1t:429,r:5,s:55&tx=138&ty=22&biw=1024&bih=653

Visita de Estudo

Nos passados dias 30 e 31 de Março, tivemos uma visita de estudo, no âmbito das disciplinas de Português e Geologia. No percurso Fafe-Lisboa, fizemos um pequeno desvio e passámos em Peniche, um local com muito interesse geológico.
     As fotografias abaixo são uma sucessão de estratos de rochas sedimentares.

       



     Constituem, sem dúvida, o melhor registo em Portugal de rochas daquela idade, relacionadas com uma fase marinha iniciada à volta dos 190 milhões de anos, anterior à génese do oceano Atlântico.

     Os belemnites eram animais carnívoros que possuíam um corpo suave ao redor de uma concha interna; viviam na água e eram muito semelhantes as lulas actuais. Por estas bandas encontrámos muitos fosseis desta espécie.

 

     Encontrámos galerias de alimentação / rastos de actividade de animais, bem visíveis na foto abaixo.


 

     No dia 31, visitámos, entre outros locais, o farol da guia, situado junto da estrada de Cascais - Cabo Raso, numa zona de fácil acessibilidade. Neste local podem ser identificados alguns aspectos geológicos, resultado da erosão marinha actual (avanço do mar com destruição das arribas).

 

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Reflexão Final



De todas estas catástrofes naturais concluimos que estão a ocorrer mais frequentemente devido ás alterações climáticas mas contudo sabemos que  são acontecimentos súbitos de origem natural, muitas vezes imprevisíveis, suscetíveis de provocarem vítimas e danos materiais. As catástrofes naturais afetam gravemente a segurança das pessoas, as condições de vida das populações e a estrutura socioeconómica de um país, devido a processos de rutura entre o ambiente natural e o sistema social.




 

Furacões e Tornados


  • O que são tornados?
Os Tornados ou Furacões, são fortes tempestades com origem no mar. Formam-se perto do equador, onde o ar quente e húmido sobe e o ar frio desce, situação que cria ventos que em espiral e nuvens de chuva. Quando os ventos atingem os 127 km/h, a tempestade é classificada como furacão. No centro de um furacão (o olho), a água do mar sobe, e nas margens, desce. Em terra, alguns furacões causam tornados - remoinhos de vento apertados e destrutivos. 


Os que se geram no Pacífico Noroeste chamam-se tufões. No Pacífico Sudoeste e no Indico Sudeste são Ciclones Tropicais Severos. Por fim, no Oceano Índico Norte recebem o nome de Tempestade Ciclónica Severa e no Índico Sudoeste – Ciclone Tropical.

Condições favoráveis à ocorrência de Ciclones Tropicais

1 – Águas oceânicas quentes (de pelo menos 26,5ºC) e com uma profundidade não inferior a 50m;  

2 – Uma atmosfera que arrefeça rapidamente com a altura para que seja potencialmente instável; 

3 – Camadas relativamente húmidas perto da média troposfera;  

4 – Uma distância mínima de pelo menos 500Km da linha do Equador;

Todos os ciclones tropicais recebem um nome diferente para facilitar a comunicação entre os técnicos e a população em geral, já que podem existir vários ciclones tropicais ao mesmo tempo no Mundo.
  • O que é uma tromba de água?
Uma tromba de água é um tornado marítimo. A sua coluna de ar arrasta água da superfície do mar e pequenas plantas e animais aquáticos. Durante o seu trajecto, a água, os animais e plantas vão caindo do céu. As trombas de água podem inundar e afundar um barco e poderão ser elas a causa de muitos desaparecimentos misteriosos no mar.


FONTE: http://cataterrestre.blogspot.com/2008/10/tornados.html

Secas

  • O que são as secas?
As secas caracterizam-se por longos períodos de muito baixa ou inexistente pluviosidade. Principalmente nas últimas décadas, a intervenção humana  fez com que locais que eram férteis ficassem desprovidos de Vida. As necessidades alimentares das populações, nalgumas zonas da Terra, promovem a criação de animais, que é, muitas vezes, excessiva em relação à capacidade das pastagens. Logo, a vegetação diminui abruptamente, o que provoca a erosão do solo. Assim, o excesso populacional  e a sobrepastagem são dois dos factores que promovem a desertificação.


Entre as catástrofes naturais, a seca é a que afecta mais pessoas e durante mais tempo. Os seus impactos variam em função da escala espacial e temporal e podem passar por: elevados prejuízos económicos; desenvolvimento e propagação de pragas e pestes; fome; perda de vidas humanas.

Por exemplo, em países africanos, que dependem fortemente dos recursos naturais para a sua subsistência, as secas destroem as produções agrícolas, aumentam a fome e a pobreza, conduzindo à morte de milhares de pessoas, como ocorreu diversas vezes no Sudão, na Eritreia ou na Somália.
As sociedades não podem evitar as secas mas podem e devem minimizar os seus impactos através da gestão equilibrada da água: fiacalização da má gestão do uso do solo e práticas agrícolas.
  • As Secas em Portugal
A situação geográfica do território do continente português é favorável à ocorrência de episódios de seca, pelo  que este fenómeno não constitui propriamente uma surpresa, devendo antes ser encarado como um "elemento climático de determinada frequência" no sentido de que já ocorreu no passado e ocorrerá no futuro.

A severidade de uma seca é sobretudo valorizada pelos que se vêem privados de água para as suas actividades quotidianas, sejam elas alimentares, de higiene ou económicas. Portanto, a intensidade da seca é determinada, não apenas em função da quantidade de precipitação que antecedeu o momento de avaliação, mas sobretudo quando se têm em linha de conta as funções regularizadoras das origens de água, sejam elas albufeiras, lagos ou aquíferos,e que permitem satisfazer as necesidades de água das pessoas, quando a insuficiência de chuva por períodos longos não o permitem.

FONTE: http://cataterrestre.blogspot.com/2008/10/secas.html





Inundações

Uma inundação pode ser o resultado de uma chuva que não foi suficientemente absorvida pelo solo e outras formas de escoamento, causando transbordamentos. Também pode ser provocada de forma induzida pelo homem através da construção de barragens e pela abertura ou rompimento de comportas de represas.

Ficheiro:Alicante(30-09-1997).JPG


FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Alicante(30-09-1997).JPG

Catástrofes Naturais

O que são as catástrofes?


As Catástrofes são acontecimentos inesperados que causam grandes prejuízos materiais e/ou humanos. São inúmeros os acontecimentos catastróficos que assolam o nosso planeta. Uns são originados directamente pelo Homem, enquanto que outros são acontecimentos naturais que, apesar de evidenciarem o dinamismo do nosso planeta, causam danos muitas vezes irreparáveis.


  • Quais os tipos de catastrofes que existem?
Existem 13 tipos de catastrofes naturais:
1-Inundações
2-Tsunamis
3-Derrocadas
4-Aluimentos
5-Furacões
6-Secas
7-Desertificação
8-Vagas de calor
9-Vagas de frio
10-Avalanches
11-Sismos
12-Vulcões
13-Chuvas de meteoros
 
 
FONTE:http://cataterrestre.blogspot.com/2008/10/as-catstrofes-so-acontecimentos.html

Transgressões e Regressões Marinhas

que são?
     A alternância de períodos glaciários e de períodos interglaciários ocorridos no planeta tiveram como consequência indirecta a modificação das linhas de costa, uma vez que durante os períodos mais frios (glaciações) uma quantidade importante de água é transferida do domínio oceânico para as calotes polares, ocorrendo uma diminuição do nível médio das águas do mar e um fenómeno inverso durante o período interglaciário. Quando se verifica o recuo do mar, diz-se que ocorreu uma regressão marinha.

Como se distingue uma transgressão de uma regressão marinha?
     Numa transgressão, há medida que o mar vai entrando por terra a dentro, ocorre uma sequência normal onde o tamanho do grão diminui da base para o topo, uma vez que a energia do meio vai também diminuindo. Numa sequência inversa sucede o contrário com aumento do tamanho do grão da base para o topo, isto numa regressão marinha.




Causas de transgressão marinha
     O aumento da temperatura média global do planeta (períodos interglaciários) vai provocar quer a expansão térmica dos oceanos, quer a fusão das massas de gelo, o que origina um maior volume de água. Esta situação pode levar a uma subida do nível médio das águas e, consequentemente, ao avanço do mar relativamente à linha de costa, ultrapassando o território onde se encontrava anteriormente a faixa litoral.

Causas de regressão marinha
     A diminuição da temperatura média global do planeta (períodos glaciários) vai provocar quer a contracção térmica dos oceanos, quer a formação das massas de gelo, o que origina um menor volume de água. Esta situação pode levar a uma descida do nível médio das águas e, consequentemente, ao recuo do mar relativamente à linha de costa, aumentando o território correspondente à faixa litoral.




Reflexão: É necessário uma compreensão profunda dos diversos processos geológicos que condicionam a evolução do litoral, para proceder a um ordenamento sustentável de todas as zonas costeiras. A transgressão e a regressão marinha são problemas existentes na costa litoral e um problema da actualidade. A transgressão é provocada pelo aumento da temperatura média global. A regrssão marinha é provocada por diversos factores como por exemplo as glaciações.

Fontes:

Populações Humanas

A espécie humana é ubíqua, existindo em todos os climas mas é um conjunto biológico homogéneo no que se refere ás suas características. Apesar desse facto, alguns autores consideram-na acentuadamente polimórfica, em relação a características de segundo plano, dando origem ao conceito de raça humana.
     Existem várias classificações de raças humanas mas geralmente existem 4 grupos básicos:
  • Caucasianos – europeus, norte-americanos e árabes, até á Índia. Estas populações apresentam, caracteristicamente pele e olhos claros, com excepção dos mediterrânicos, nariz estreito, lábios delgados e cabelo liso ou ondulado;
  • Australóides – aborígenes e povos com eles relacionados, que apresentam pele escura, variando do tom azeitona até ao quase negro, cabelo encaracolado, olhos escuros e nariz largo;
  • Mongolóides – pele amarelada, cabelos lisos, nariz de forma variada, rosto largo e achatado, olhos com prega epicântica na pálpebra superior (cuja função é proteger do clarão ofuscante da neve). Deste grupo terão derivado os índios americanos e os esquimós, através de populações que teriam migrado através do estreito de Behring;
  • Negros – pele escura, variando do tom acastanhado ao quase negro, nariz achatado, olhos escuros e cabelos crespos.

Qual a origem destas raças?

     Existem duas teorias que tentam explicar estas diferenças morfológicas entre as populações humanas:
  • Hipótese policêntrica – a formação da actual população humana efectuou-se em vários territórios relativamente independentes, onde vários tipos de H. erectus teriam dado origem aos principais tipos actuais;
  • Hipótese monocêntrica – o Homem actual terá surgido num território único, numa região algures entre a Ásia central e o nordeste africano, onde teria ocorrido o cruzamento de numerosos hominídeos, entre eles o H. erectus e H. sapiens, o que teria enriquecido o seu património genético. Só posteriormente se teriam formado as várias populações geográficas, que originaram as raças.
     Actualmente sabe-se que a cor da pele, por exemplo, um dos critérios mais importantes na classificação das raças humanas, resulta apenas da quantidade variável de melanina na pele. Verifica-se, portanto, uma variação quantitativa e não qualitativa, para não falar do espectro de variação dentro da mesma raça, que é muito maior que a variação entre raças.

Reflexão: Nesta imagem estão presentes três tipos de raças diferentes, mas que ao mesmo tempo são iguais. Quando dizemos «raças humanas» apenas nos estamos a basear no aspecto físico, pois esta expressaõ não tem qualquer significado biológico. Concluindo, somos todos 'iguais',  fazemos parte da mesma espécie e a população humana não pode ser dividida em subespécies.



FONTE: